terça-feira, maio 31, 2005

Uma televisão pública para a sociedade

A criação de um Canal Internacional Brasileiro está cada vez próximo de se tornar realidade. Por intermédio do Governo Federal, o canal será gerado e financiado pelo poder Executivo que vai subsidiar com 50%, a Câmara e o Senado, com 20% cada um e o Judiciário com 10%. O canal será operado pela Radiobrás, o maior complexo de comunicação pública do país, e responsável pela comunicação oficial do governo.


Programação
O objetivo do canal, que deverá ir ao ar no próximo ano, é mostrar a cara do Brasil, sua cultura e produção audiovisual. Além das produções nacionais que serão legendadas, a grade contará também com uma produção jornalística feita pela Radiobrás. Para a realização do conteúdo, o canal contará com a ajuda das redes de televisões privada de cada estado, sendo que o material elaborado, produzido e gravado será com investimentos do canal internacional. As transmissões serão realizadas via satélite e via cabo, nos países da América do Sul. Posteriormente, a novidade será estendida por todo o mundo, em países que falem a língua portuguesa

A Tv Pública e a Sociedade
Atualmente todas as emissoras que se consideram públicas, são e estão vinculadas ao Estado e são financiadas por ele. Por esta razão pode-se afirmar que o Brasil ainda não possui veículos de comunicação pública. Conforme o diretor de jornalismo da Agência Brasil/Radiobrás, Roberto Barbosa Garcez, para que um veículo seja público a sociedade é quem deve estar no comando. “Para que um veículo seja público ele tem que estar sobre o controle da sociedade. É a sociedade quem deve determinar suas diretrizes, suas metas e até mesmo sua programação”, conta Garcez. Ou seja, a televisão ou o rádio não pode ser financiado pelo mercado nem pelo estado. Pois tanto a mídia comercial quanto o estado podem defender as suas posições e as suas crenças. Por isso que a sociedade é que deve estar no comando, para que o conteúdo e a essência da informação não seja limitado. “Com certeza, os veículos de comunicação pública surgirão a partir de um desejo da própria sociedade. Ela vai descobrir que se ela tiver um veículo de comunicação para defender os seus direitos, conseqüentemente ela conseguirá desenvolver políticas públicas importantes e bem pensadas para o seu bem-estar”, conclui Garcez.


Garcez:controle da sociedade

Encontro com a TV Digital
A idéia de o telespectador ser dono de sua televisão podendo controlar a programação, se aproxima da TV Digital. A chegada deste artifício será uma verdadeira revolução tanto em termos de tecnologia quanto nas relações sociais. Na realidade vivemos com um modelo de TV que vai acabar, assim como o controle que ela exerce sobre as pessoas. Com a TV Digital, a sociedade terá a oportunidade de participar ativamente na produção do conteúdo que irá assistir. Perdemos esta chance com a implantação da TV a cabo e com a criação das televisões comunitárias. Mas ambas não proporcionavam nenhuma forma de acesso à produção, nenhum estímulo, nenhuma linha de crédito. “A TV Digital com certeza vai baratear os custos da produção e ajudar a sociedade a ter os seus próprios meios de comunicação”, esclarece Garcez. Será este o passaporte para um novo mundo de empregos? Fica aqui a torcida.

Saiba Mais:
Jornalismo Digital
Novas Tecnologias de Informação Aplicadas nas Universidades
Novas Mídias
Jornal Digital x Jornal Impresso

Uma programação como você nunca viu

A tecnologia da Tv digital sugere um novo estilo de vida

Atualmente a tecnologia está implantada em nosso cotidiano de uma forma tão automática e necessária que mal nos damos conta disso. São celulares, câmeras digitais, internet, mp3, que facilitam a nossa vida a ponto de não nos imaginarmos mais sem essa parafernália toda. A verdade é que depois de temos o conhecimento da tecnologia, esquecemos que até a poucos anos atrás vivíamos felizes e satisfeitos com as Tvs preto e branco daquela época. E nessa corrida em busca da tecnologia somada a informação é que surge a Tv Digital.

O que é a Tv Digital?
O que lhe vem na cabeça quando a pergunta é: o que é a Tv digital? Um aparelho conectado na internet e que através de um mouse é possível controlar programas. Na verdade, a televisão digital ou digital Tv, uma modulação e compressão digital para enviar vídeo, áudio e sinais de dados. Estes sinais serão recebidos por aparelhos compatíveis com a tecnologia. Este sistema proporciona uma transmissão e uma recepção de maior quantidade de conteúdo por uma mesma freqüência (canal). Isto quer dizer que você vai ter acesso a programas em uma alta resolução de imagem, o chamado High Definition Television (HDTV).

Resolução de imagem
As primeiras televisões surgiram por volta dos anos 30. Daquele ano pra cá as televisões evoluíram estando cada vez mais modernas, tanto em layout como em tecnologia. Atualmente, um monitor analógico de boa qualidade, destes que a gente tem casa, apresenta entre 525 e 625 linhas de vídeo. Na televisão digital de alta definição, chega-se a 1080 linhas com o padrão HDTV. É uma diferença e tanto em resolução de imagem.

Formato da imagem e qualidade de áudio
A tela dos monitores passa por alguns ajustes para se adaptar ao sistema digital. Nos televisores analógicos, o formato utilizado é o 4:3 que na TV Digital vai ser de 16:9. Este formato se aproxima das telas de cinema. A qualidade sonora também se atualiza. No início as Tvs eram mono,possuíam apenas um canal de áudio. Mais tarde evolui para o stéreo, que conta com dois canais. Com a Tv digital este número pula para seis canais, alcançando o mesmo padrão usado pelos mais sofisticados aparelhos de som e home-theaters. Com essa aparelhagem toda, o cinema próprio se torna um sonho real. Vá preparando as pipocas.

Interatividade
O conteúdo é transmitido para o receptor de uma só vez. A partir daí, o usuário pode interagir livremente com os dados que ficam armazenados no seu receptor. Ou seja, você pausar um programa ou fazer voltar a cena anterior mesmo se o programa for transmitido ao vivo. Novas informações são recebidas somente quando uma atualização é solicitada ou uma nova área de serviço é acessada. Se antes a disputa pelo comando do controle remoto já era uma guerra, imagine agora.


Acessibilidade
Sabe aquele filme que vai passar na Tv e que você não vai poder assisitr? Pois bem, com a Tv digital isto será um pesadelo do passado. Tudo isso porque ela possibilita a transmissão de um mesmo programa em horários descontínuos, ou seja, o filme pode começar a cada 15 minutos em diversos canais. E se já não bastasse isso, o telespectador ainda pode escolher um o horário em que possa assistir. Sem contar que independente do local onde você more, entre edifícios, entre árvores, a imagem recebida será impecável. Isto porque a tecnologia digital possui flexibilidade para ajustar os parâmetros de transmissão. Eu quero uma destas!!!


Tv Digital: o futuro a um clique

O sinal digital
Assim como a Tv analógica convencional, o sinal digital trafega por diferentes meios - que deverão continuar existindo após a adoção do padrão digital.
Terrestre: O sinal é transmitido por ondas de rádio freqüência. Os sinais digitais são transmitidos no ar e precisam de antenas e receptores apropriados para a sua captação.
Satélite: Já em uso no Brasil desde 1996 através das Tv's por assinatura. Este sistema permite que pessoas que moram em regiões remotas possam captar o sinal digital.
Cabo: Utiliza redes de cabo convencionais para transmitir os sinais digitais que chegam a casa do assinante via operadoras de Tv por assinatura.
Internet: Utiliza conexões de alta velocidade à Internet (banda
larga) para transmitir os sinais digitais. Entre suas vantagens está a coexistência automática das tecnologias já conhecidas de Internet com a recepção de TV.


TV Digital no Brasil
Nos Estados Unidos a Tv Digital já é uma realidade e a TV-O e a HD-TV são as pioneiras e começaram com as funções básicas de memória e gravação.
No Brasil, a TV digital por enquanto só é acessível através das Tvs por assinatura. O sistema que será adotado no país ainda está em definição pelo Ministério das Comunicações. Em 2003, o governo federal criou o Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD), composto de um Comitê de Desenvolvimento, Comitê Consultivo e Grupo Gestor. Até fevereiro de 2006, eles deverão apresentar um modelo de referência para este sistema. Agora a notícia triste: ainda não existe um prazo definido para a implantação comercial da nova tecnologia.

Saiba Mais:
Novas Mídias
Jornal Digital x Jornal Impresso
Jornalismo Digital
Novas Tecnologias de Informação Aplicadas nas Universidades

terça-feira, maio 10, 2005

Paixão pelo jornalismo

“É preciso ter ilusão de que pudemos mudar o mundo”
Versão editada do texto do Gustavo Lopes

O jornalista e apresentador Paulo Markun iniciou, na última terça (12/04), o semestre letivo do Centro de Comunicação da Unisinos com uma palestra incentivadora. Falando sobre as carreiras na área de comunicação, sobretudo do jornalismo, Paulo derrubou alguns mitos, mas manteve alguns outros.

Experiência
Markun começou sua palestra falando do início de sua carreira. Das dificuldades, das coincidências, dos erros e dos acertos. Falou de suas passagens pelo Pasquim, pela Revista Imprensa, pela Rede Globo até chegar ao comando do Roda Viva, programa considerado modelo no jornalismo brasileiro.

Diferenciais
O apresentador revelou que, embora haja uma concorrência cada vez maior no mercado de trabalho, é necessário apresentar alternativas. Markun afirma que é preciso inventar e citou três características como fundamentais para a carreira: ambição, ousadia e determinação.

Ilusão
O jornalista fez algumas críticas à mídia, como o fato da internet ainda pautar muitos noticiários, ou o interesse financeiro em conflito com o interesse jornalístico. Mas, é um entusiasta da profissão, apesar de tudo. Para ele, “é preciso ter ilusão de que pudemos mudar o mundo”.

Para nós, alunos de comunicação e futuros jornalistas, fica a certeza de que nossas carreiras talvez não sejam tão fáceis e simples como imaginávamos ou pretendíamos. Mas que, mesmo assim, vai ter valido a pena.

terça-feira, abril 19, 2005

Paulo Markun palestrou para estudantes de comunicação

O apresentador destacou pontos fundamentais para a carreira jornalística

O jornalista e apresentador Paulo Markun palestrou na última terça-feira (12/04) aos alunos de Comunicação da Unisinos.
O tema foi basicamente as profissões na área da comunicação, dando enfoque maior ao jornalismo, na qual Markun trabalha atualmente.

Na palestra ele contou sobre o início de sua carreira, dos obstáculos e conquistas. Comentou sua passagem pelo mundo publicitário onde desenvolveu trabalho junto à campanha política do presidente eleito, Luis Inácio Lula da Silva. Falou também da sua experiência como repórter da Globo e as dificuldades encontradas pela falta de tecnologia da época. Hoje ele se firma como âncora do programa Roda Viva, da TVE Brasil, considerado um dos melhores do segmento jornalístico.

Foto: Gustavo Lopes

Paulo Markun contou suas experiências aos alunos da Unisinos

A concorrência do mercado de trabalho foi um dos pontos abordados pelo apresentador. Segundo Markun, para se destacar no meio é preciso apresentar diferenciais. Ambição, ousadia e determinação são as características necessárias para alcançar resultados positivos.

Em relação à mídia, o apresentador questionou o porquê dos jornais publicarem as mesmas notícias que circulavam na internet no dia anterior em sites como Terra e Uol. Apontou também o fato da leitura diária de jornais estar sendo deixada de lado.

O que resta para nós, estudantes de jornalismo, é desencadear aquelas três características citadas pelo apresentador para assim conquistarmos nosso lugar ao sol. Temos que ter a ilusão de que podemos mudar o mundo e acreditar que nós sim, é quem fazemos a diferença.

terça-feira, março 29, 2005

Big Brother Brasil 5 chega ao final

Nesta noite será conhecido o ganhador do prêmio de 1 milhão de reais


Hoje a noite, após 79 dias de confinamento, o Brasil se despede dos participantes da 5ª edição do Big Brother Brasil. Através de votação no site, o público decidirá através se o prêmio de 1 milhão vai parar nas mãos do paulista Sammy, da paranaense Grazieli ou do baiano Jean.



Ao que tudo indica o favorito ao prêmio é o professor Jean, que conquistou os telespectadores através de sua honestidade, inteligência e atos de amizade. Além disso, ele surpreendeu ao assumir publicamente a sua homossexualidade. O fato de ele achar que foi indicado ao paredão pela Tropa de Choque por ser gay, ajudou a aumentar a torcida pelo baiano. Isto comprova que os brasileiros não são a favor de injustiças ou preconceitos.

A edição de maior repercussão foi recheada de conflitos, intrigas, amizades e alegrias que acabaram dividindo os participantes em dois grupos. Paulo André, Rogério, Alan, Giulliano, Karla, Natália, Tati Rio e Aline encabeçavam os Gigantes ou Tropa de Choque, enquanto do lado bom da força estavam Jean, Pink, Grazi e Sammy, os Defensores. Coincidência ou não, são justamente deste último grupo os finalistas da última edição do reality show.



Fontes:
Zero Hora
O Estadão


Leia mais em:Os rejeitados do BBB 5

quinta-feira, março 24, 2005

Mercado

A queda do euro, o aumento de 4,54% do rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano e o leilão de compra de dólares pelo Banco Central nesta tarde contribuíram para o sétimo dia consecutivo de alta do dólar que fechou em R$ 2,76 nesta terça-feira. A bolsa seguiu a tendência de alta e encerrou o dia com bom volume negociado.



Mercado Financeiro
Segunda-feira
Terça-feira
Dólar
2,69
2,72
Bolsa de S.Paulo
26618,0
26720,0

terça-feira, março 22, 2005

A Fumizona

Por Dani Rabaldo


A Fumizona....A Fumizona é realmente um bichinho de deus hauhauahauahuahaua
* brincadeirinhas internas hauhauahau*

Bom, a Aline é um anjinho na vida das Fumigas...sempre pronta para ouvir minhas besteiras e lamúrias e para dar risada então nem se fala!!! Ela é amiga de verdade...e olha que quando a conheci na Uni eu nem imaginava que um dia ela estaria tão presente no meu caminho....
Ela é a MINHA amiga SUPIMPA!!!

Linda, atrapalhada, esforçada, estabanada...magicamente encantadora...
Além de ser a super jornalista dos famosos, é ela que tem as melhores histórias para me contar sobre o mundo da moda...
Enfim...igual a Fumi só a Fumi...

terça-feira, março 15, 2005

A nova Matrix

A nova Matrix e a revolta dos blogueiros


Alessandro Barbosa Lima*


A trilogia The Matrix foi considerada por toda a imprensa e alguns estudiosos como um alerta para a ascensão do controle da máquina sobre o homem. Várias discussões foram iniciadas após o filme e as mais tenebrosas projeções foram feitas a respeito de um futuro de homens controlados por máquinas inteligentes. Mas a trilogia dos irmãos Wachowski traz à tona uma outra metáfora: a do fim da inocência dos consumidores em relação à realidade paralela construída pelo capitalismo. Ou seja, o fim da inocência em relação às reais intenções das marcas, da propaganda e de todo os artifícios de controle exercidos pela indústria cultural, a nossa verdadeira matrix.


Chamo este novo período, após o fim da inocência dos consumidores em relação às marcas, de "Depressão Pós-Matrix". Apesar de ser o próprio filme um produto da indústria cultural, que ajudou a vender de celulares a óculos esportivos, os habitantes das metrópoles puderam se reconhecer dentro do enredo e entender que há um mundo sendo controlado, virtual, por trás do mundo real. Porém este mundo Matrix aos poucos enfrenta seus primeiros bugs, ou falhas na Matrix. Empresas consideradas sérias como a Enron se tornam sinônimos de corrupção. A imprensa não é mais a mesma.





Mesmo o inabalável New York Times sofre com credibilidade por causa de jornalistas como Jayson Blair, que inventava e plagiava matérias. E mesmo os grandes executivos já não são mais os mesmos. A toda-poderosa Carly Fiorina, da HP, teve o mesmo tratamento de "aprendiz" de um reality show corporativo: demitida.
Os consumidores já perceberam estas falhas na Matrix e hoje iniciam uma reação que vem do subterrâneo. Alguns acontecimentos recentes são simbólicos do despertar dos consumidores para este cenário de controle. O primeiro: a ascensão dos blogs como ferramenta de resistência. Os blogs estão se insurgindo contra a imprensa especializada e já são considerados ameaça às empresas. A ascensão do browser Firefox sobre o Internet Explorer e do código aberto sobre o código fechado também é sintomática da reação dos rebeldes.


Pela primeira vez, desde os anos 60, assistimos a uma volta da rebeldia e da contestação. Não daquela na rua, mas de uma contestação hacker, do subterrâneo, que aos poucos vai se infiltrando na Matrix, espalhando suas idéias contestadoras e tidas como subversivas. Essa resistência, que é simbolizada pela resistência à propaganda, às marcas, à imprensa e a tudo que é oficial tem nos blogs o seu bastião.
Os blogueiros, como uma força organizada, a tudo contestam e a tudo vêem. Recentemente ao colocar o site da minha empresa no ar, a E-LIFE Comunicação, onde prometo trabalhar a comunicação através de relações públicas com blogueiros, fui questionado por vários deles. Felizmente, ao contrário das empresas que se calam, estabeleci um diálogo e respondi às dúvidas dos mesmos.

Na minha opinão,o fato é que, se existisse mesmo esta Matrix virtual, sem dúvida os comandantes do mundo atual seriam os blogueiros. Eles disseminam as informações de uma forma tão abrangente que mais parecem ser uma espécie de vírus. O vírus da informação, aquela que, às vezes, é bem vinda, ou não. É uma opinião que nasce, ganha apoiadores e logo se transforma em algo tão grande que é capaz de começar ou terminar determinada coisa. A verdade é que eles se unem e ganham força. Quebram barreiras e constroem muros. Tudo através do poder opinativo expresso em blogs na internet.